10 - A Experiência da Salvação

29-07-2012 10:48

 

Em infinito amor e misericórdia, Deus fez com que Cristo, que não conheceu pecado, Se tornasse pecado por nós, para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus. Guiados pelo Espírito Santo, sentimos nossa necessidade, reconhecemos nossa pecaminosidade, arrependemo-nos de nossas transgressões e temos fé em Jesus como Senhor e Cristo, como Substituto e Exemplo. Esta fé que aceita a salvação, advém do divino poder da Palavra e é o dom da graça de Deus. Por meio de Cristo, somos justificados, adotados como filhos e filhas de Deus, e libertados do domínio do pecado. Por meio do Espírito, nascemos de novo e somos santificados; o Espírito renova nossa mente, escreve a lei de Deus, a lei de amor, em nosso coração, e recebemos o poder para levar uma vida santa. Permanecendo nEle, tornamo-nos participantes da natureza divina e temos a certeza da salvação agora e no Juízo.
 
Minha esposa era extremamente doentia. Eu pedia a Deus, de todo o coração, que Ele a “salvasse”. Esse pedido por salvação significava que eu gostaria que ela fosse liberta de alguma doença mortal e tivesse a saúde restaurada. Ainda, que ela fosse protegida durante esse tempo de sofrimento e sentisse segurança. Que, ao invés da aproximação da morte, Ele graciosamente oferecesse a ela o dom da vida.
Alguns anos antes, eu orara por meu pai, que até então não houvera aceito completamente o Senhor. Meu pedido era que, nos momentos finais de sua vida na Terra, Deus o pudesse salvar. Insistia para que Deus perdoasse os seus pecados, concedesse a ele o dom da justificação, e o considerasse como parte do povo de Deus e, ainda, que ele pudesse ter entrada no reino eterno e ganhasse a vida eterna.
Uma Realidade Abrangente
Sou grato a Deus porque muitas facetas da salvação implicadas nessas orações por meus queridos estão incluídas no conceito bíblico de salvação. A realidade da salvação é tão abrangente que inclui cada aspecto de nossa vida (segurança, saúde, livramento da culpa e do pecado, vida eterna) e todo o período de nossa existência (passado, presente e futuro).
Cada dia e de todas as formas, Deus está interessado em nos libertar dos perigos que enfrentamos. “Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo!… O nosso Deus é o Deus libertador; com Deus, o Senhor, está o escaparmos da morte.” Sal. 68:19 e 20. O Novo Testamento descreve esse mesmo Deus de salvação quando diz: “Deus estava em Cristo.” II Cor. 5:19. Através de Jesus Cristo é que Deus cumpre o que intenta fazer graciosamente por nós.
Qual é o desejo de Deus? “O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” I Tim. 2:4.
Mas Deus não somente deseja que sejamos salvos; Ele também nos destinou para a salvação (I Tess. 5:9). O divino plano de salvação não foi uma reflexão tardia; “Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação”. II Tess. 2:13. E esse princípio se perde na eternidade, porque Deus nos escolheu em Jesus Cristo “antes da fundação do mundo”. Efés. 1:4.
Quando leio esses textos, revigora em mim o sentimento que está expresso em Deuteronômio 33:27: “O Deus eterno é a tua habitação e, por baixo de ti, estende os braços eternos.” Para mim, salvação significa que nenhum destino, pecado ou mal controla minha vida, minha segurança ou meu futuro. Os braços eternos de Deus me sustentam, e sou livre nEle.
A idéia de abrigo já foi muito bem expressa numa tocante figura incorporada ao texto de João 10:27-29: “As Minhas ovelhas ouvem a Minha voz… Eu lhes dou a vida eterna, jamais perecerão, e ninguém as arrebatará de Minha mão. Aquilo que Meu Pai Me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar.” Que quadro maravilhoso! Crentes nas mãos de Cristo e, ao redor dos quais, a mão do Pai. Os braços do Pai são onipotentes, portanto nos protegem contra tudo. Eis o que significa a salvação para mim.
A Salvação em Três Tempos
Quando eu era adolescente e recém-convertido ao adventismo, uma vez peguei carona com um senhor muito amável e sorridente. Conversamos bastante durante a viagem, até que, em certo ponto, ele me perguntou diretamente: “Você está salvo?”
Eu não estava preparado para responder a tal questão, ainda mais feita “à queima-roupa” por um estranho. Titubeei entre o “não” e o “talvez”, mas acho que deveria ter podido responder “sim”. Ou não seria essa uma boa resposta? De acordo com a doutrina bíblica da salvação, podemos responder afirmativamente a tal questão?
Creio que sim. Alguém pode estar sentindo a presença do Salvador em sua vida, e não estar sentindo a realidade da salvação. Entretanto, continuo achando que a melhor resposta, à luz de tudo o que a Bíblia fala sobre o tema, ainda é: “Sim, fui salvo [Rom. 8:24]; estou salvo [I Cor. 15:2]; e serei salvo [Rom. 5:9].” Salvação não é uma situação estática, mas um continuado processo dinâmico e divino, no qual Deus assume total liderança em relação a tudo o que aconteceu, o que está acontecendo ou irá acontecer a nós. Salvação significa para mim que Deus está interessado em cada detalhe de minha vida.
A Salvação e o Passado
Todos temos um passado que gostaríamos que fosse radicalmente diferente. Todos podemos dizer: “Pequei, e careço da glória de Deus.” Rom. 3:23. Romanos 1:18-3:18 retrata vividamente algumas das coisas que todos nós praticamos.
Na curta cena que se segue (Rom. 3:19 e 20), todos nós, pecadores, estamos mudos diante do tribunal divino. Culpados diante de Deus e sem condição alguma de apresentar qualquer obra para sanar o pecado ou quebrantamento da lei. Só falta sair o veredicto do Juiz, condenando-nos à morte, quando ouvimos as inesperadas palavras: “Mas agora…” (verso 21).
Que palavrinha poderosa, esse mas! Ele introduz uma mudança radical em relação a tudo o que precede. Lembro-me do dia em que esperava o resultado de uma importante cirurgia em minha esposa. O médico abriu a porta e começou: “O tecido que removemos parece de bom aspecto.” Uma certa alegria começou a brotar em meu coração. Até que o médico continuou: “Mas…” Foi o suficiente para que o desespero voltasse a me dominar. O divino “mas”, entretanto, opera no sentido inverso – muda o desespero em esperança. Estamos na expectativa da morte, mas Deus introduz algo completamente novo.
“Mas agora (a despeito de todo espectro de pecado e ira) a justiça de Deus (Sua maneira de fazer com que as pessoas que estão erradas passem a experimentar um novo relacionamento com Ele) se manifestou” (ver verso 21). Onde? A cena se transmuda da barra do tribunal divino para a cruz de Cristo. Deus proclama Seu veredicto – não de morte mas de justificação – a partir da cruz. Ao invés da morte, os crentes são “justificados (passam a ter um novo relacionamento com Deus) gratuitamente, por Sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus; a quem Deus propôs, no Seu sangue… para manifestar (dar o Seu veredicto) a Sua justiça” (versos 24 e 25).
Devemos ser gratos a Deus pela cruz. Por causa dela, podemos dizer: “Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos; bem-aventurado o homem a quem o Senhor jamais imputará pecado.” Rom. 4:7 e 8. Salvação significa para mim que, quando me submeto a Cristo pela fé, Deus não mais lança em rosto meu pecado. Que fantástico! A página de minha vida está limpa novamente. Tenho oportunidade para um novo começo. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.” Rom. 8:1.
A Salvação e o Presente
A partir do perdão, começa uma nova vida. Ser perdoado por Deus significa tornar-se uma nova pessoa, uma “nova criatura”. II Cor. 5:17. Essa nova criação é a raiz da vida santificada, na qual os cristãos são dirigidos pelo Espírito Santo (II Tess. 2:13 e 14; II Tim. 1:9; I Tess. 4:7; Rom. 6:19; I Cor. 6:19 e 20; Heb. 12:14). Então, de acordo com as Escrituras, a salvação significa não somente ganhar vida nova, mas também passar a viver sob a direção do Espírito de Deus (Gál. 5:25).
Quando Jesus está do nosso lado, nossa vida é bem diferente. A vida do cristão jamais será fria, legalista, mas procurará sempre agradar a Deus (I Tess. 4:1). E o que agrada a Deus é exatamente que vivamos em santificação (verso 3).
Não entendo por que alguns acham que agradar a Deus é como carregar um fardo pesado. Veja que “também Cristo não Se agradou a Si mesmo; antes, como está escrito: As injúrias dos que Te ultrajavam [a Deus] caíram sobre Mim”. Rom. 15:3. Salvação significa para mim que eu deveria corresponder Àquele que deu tudo de Si para que eu pudesse ser salvo. Se o amor de Cristo passar a me controlar, não mais desejarei viver para mim mesmo, mas sim me dedicarei Àquele que morreu por mim (II Cor. 5:14 e 15).
A Salvação e o Futuro
Estou feliz por ser adventista, pois a salvação sem sua dimensão futura seria incompleta. Talvez seja por isso que o termo salvo, que ocorre na Bíblia tanto no passado como no presente, é encontrado, na maioria das vezes, no tempo futuro. O crente que foi justificado e está sendo santificado será, um dia, seguramente glorificado.
A Bíblia diz que, “na esperança, fomos salvos.” Rom. 8:24. Isso significa que há mais para o futuro. Um dia, toda a criação será liberta da decadência (verso 21) e o sofredor e gemente cristão receberá a plena redenção (verso 23). Salvação significa que se estamos sofrendo como Cristo sofreu, também seremos glorificados como Ele o foi (verso 17). De fato, “os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós” (verso 18).
 
Salvação significa que um dia teremos acesso a toda a glória de Deus (Rom. 5:2). Nesse tempo, o Cristo pelo qual temos longamente aguardado voltará e transformará o nosso corpo de humilhação para ser igual ao corpo da Sua glória (Filip. 3:20 e 21). Correspondendo a essa transformação, teremos também novos céus e uma nova Terra (Apoc. 21:1). Tudo será feito novo de tal forma que as lágrimas, dor e morte já não mais existirão (versos 4 e 5).
Com que ansiedade espero por esse novo dia! Uma vez, orei pela salvação de meu pai. Será que Deus o salvou? Sim. Pelo amorável testemunho e atenção dos adventistas do sétimo dia de minha terra natal, a Iugoslávia, meu pai aceitou o Senhor e expressou seu desejo de fazer parte do povo cujo amor lhe fora revelado. Confio que seus pecados foram perdoados e que ele terá um lugar no eterno reino de Deus.
Orei pela minha esposa, para que Deus a salvasse. Ela morreu. Minha oração pela sua salvação ficou sem resposta ou meu pedido foi negado? De forma alguma! Ela houvera experimentado a justificadora e santificadora graça de Cristo. Sua vida refletia o espírito do Mestre – amor altruísta. Agora, liberta dos seus sofrimentos, ela dorme em Cristo (I Tess. 4:16). Mas, um dia, através do poder ressuscitador de Deus, que ergueu a Cristo do túmulo, ela voltará à vida para sempre, com Ele e com todos nós que depositamos nossa fé nEle (versos 16 e 17). Em seu túmulo, colocamos as seguintes palavras:
“Ide, amigos,
enxugai vossas lágrimas,
nós esperaremos aqui,
até Cristo voltar.”
Quão grato sou pela dimensão futura da salvação!
“Vem, Senhor Jesus!” Apoc. 22:20.
 
PorIvan T. Blazen (Foi diretor do departamento de Novo Testamento do Seminário Teológico da Universidade Andrews, Estados Unidos)
Voltar

Procurar no site

"Levantai ao alto vossos olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais Ele chama pelo nome, e por ser Ele grande em força e poder, nem uma só vem a faltar." Is. 40: 26