Ellen White e o Teatro na Igreja

25-08-2012 12:34

 

A Igreja Adventista em tempos modernos tem vivido um conflito litúrgico. São muitas as ocorrências de desafetos entre membros por causa de dramatizações de algum episódio bíblico. Membros e líderes se chocam com pareceres e interpretações baseados no Espírito de Profecia que à evidência superficial alegam posturas contrárias ao da própria autora. 
 
É necessário fazer uma pesquisa dentro do contexto de vida de Ellen White e como se comportava a escola literária de sua época. Sabe-se que a partir de uma radiografia honesta sobre esta escola pode-se entender que, da mesma forma que as demais escolas, esta influenciou todos os ramos daquela sociedade, inclusive com reflexos intensos na Igreja Adventista.
 
EXPRESSIONISMO
 
Esta escola teve seu início reconhecido na Alemanha por volta da 1905 seguindo a tendência de pintores do final do século XIX, como Cézanne, Gauguin, Van Gogh[i] e Matisse. É importante citar que as escolas não surgiam em uma data premeditada, mas em uma transformação lenta e quase imperceptível e geralmente como uma reação à escola anterior. Sua consolidação é datada por algum acontecimento marcante influenciado pela tendência.
 
Até onde se sabe, a palavra "expressionismo" foi empregada, pela primeira vez, em 1850, pelo jornal inglês Tait's Edinburgh Magazine evocando, em artigo anônimo, uma "escola expressionista" de pintura moderna. Em 1880, Charles Rowley pronunciou em Manchester uma conferência sobre a pintura contemporânea, identificando uma corrente "expressionista" de artistas que procuravam exprimir suas paixões.
 
O expressionismo tem o perfil bastante acentuado e marcante por causa de transformações da sociedade alemã do fim do século XIX. Como o país industrializava-se rapidamente dentro de estruturas sociais conservadoras, os jovens artistas reagiam pelo exagero e a deformação contra códigos morais anacrônicos e repressivos. A ordem do mundo afigurava-se diabólica aos intelectuais e artistas mais sensíveis.
 
CARACTERÍSTICAS FILÓSOFICAS
 
Duas características ideológicas podem ser consideradas fundamentais no movimento expressionista: A reação contra o passado, não só contra o naturalismo ou os vários movimentos vigentes na Alemanha na época, mas reage, sem mais, contra todo o passado; é o primeiro movimento cultural que deve ser compreendido, por uma rebelião contra a totalidade dos padrões, dos valores do ocidente. A arte cessa de gravitar em torno de valores absolutos. A outra característica é a herança de traços do romantismo. A diferença é que no expressionismo o confessado não é de ninguém, o autobiográfico não tem rosto, a arte não manifesta a subjetividade e releva-se como impessoal.
 
Este comportamento dos literários atraiu repulsa da sociedade daquela época. A tendência socializante do expressionismo ia tornando-se sempre mais forte suscitando, sempre com mais força, a intervenção da censura. Em 1933 o expressionismo passa a ser julgado "Arte degenerada" e formalmente proibido de se expressar na Alemanha.
 
O expressionismo alastrou-se para outras artes e partes. O teatro foi fortemente influenciado e exportado. O criador do teatro expressionista é o sueco Strindberg, que depois de uma fase de naturalismo extremado caiu no extremo oposto, de teatro simbólico-religioso. Sua influência, pouco sensível na França e na Inglaterra, foi grande na Rússia e nos E.U.A., mas sobretudo na Alemanha.
 
O objetivo deste tipo de teatro é propagar idéias. Em vez do individualismo quase anarquista, o Socialismo e o Comunismo; em vez do cepticismo, uma religiosidade livre, mas esperançosa; em vez do feminismo, a luta dos sexos e das gerações, o homem defendendo-se das mulheres e os filhos em revolta contra os pais, atitudes apoiadas em teorias psicanalíticas.
 
Esta teoria vem sem dúvida de Freud, e isto por duas razões. Em primeiro lugar a psicanálise liberta do passado . Transportando isto em termos de cultura, podemos dizer que a psicanálise liberta da tradição, da história. Em segundo lugar, a perspectiva de Freud é a da subjetividade; ao contrário do que acontece na psicologia clássica, a raiz dessa nova subjetividade á impessoal: o inconsciente foge à alçada daquilo que se considerava ser a pessoa, e a subjetividade torna-se mais anônima.
 
Na esfera pública, a tentativa de influenciar o comportamento da política ocorreu através de Kurt Hiller. Ele sugeriu a formação de um Partido dos Intelectuais, com o objetivo de conquistar o Paraíso na Terra; seu programa incluía a supressão da guerra; reformas econômicas para garantir o mínimo vital a todo cidadão; ajuda aos desempregados e aos criadores; liberação sexual com o reconhecimento da homossexualidade; racionalização da procriação; abolição da pena de morte; proteção do indivíduo diante do crescente poderio da psiquiatria; transformação das escolas de ensino em escolas de pensar; combate contra as Igrejas e os Parlamentos; estabelecimento de uma aristocracia do espírito; liberdade total de expressão. 
CARACTERÍSTICAS EXTERNAS
 
O teatro expressionista tem algumas características externas acentuadas. Ele dispensa a imitação da fala coloquial e dos ambientes familiares no palco; fala em estilo poético ou declamatório e prefere cenários fantásticos, que já não são mero fundo da ação teatral, mas participam dela como se fossem personagens mudos.
 
REFLEXO NOS EUA 
 
O Expressionismo fez com que o teatro revivesse nos E.U.A. Durante o século XIX só houve peças poéticas para a leitura. A nova tendência veio em forma de poesia simbolista, e entre os grandes poetas simbolistas, vários escreveram peças de fundo fantástico ou lendário, levando para o palco a poesia das sugestões sutis. Estas influencias ganharam espaço na sociedade do tempo de Ellen White. Ela combateu veementemente a invasão destes conceitos e comportamentos na igreja.
 
DECLARACOES DE EGW SOBRE TEATRO
 
Os escritos de Ellen White foram muito taxativos e diretos em seus dias. Desde aquela época ela combatia o falso conceito de que tudo deveria ser organizado milimetricamente, sobrecarregando a obra e liturgia. A adoração se tornava um fardo para os adoradores. Em uma de suas citações ele diz: 
 
Maus resultados têm sido vistos tanto na Escola Sabatina como na sociedade missionária, pelo fato de fazer-se muito de mecânico, ao passo que a experiência vital é perdida de vista. Em muitos dos supostos melhoramentos levados a efeito, o que se tem feito é colocar o molde humano na obra. Têm sido aceitos na Escola Sabatina, como oficiais e professores, homens e mulheres cuja mente não estava espiritualizada, e que não tomaram vivo interesse na obra a eles confiada; mas apenas mediante o auxílio do Espírito Santo é que se pode pôr em ordem a situação. Veríamos diferente estado de coisas se determinado número se consagrasse inteiramente a Deus, e então devotasse seus talentos à obra da Escola Sabatina, avançando sempre em conhecimento, educando-se para que pudessem instruir a outros quanto aos melhores métodos a serem empregados na obra; mas não devem os obreiros procurar métodos pelos quais ofereçam um espetáculo, consumindo tempo em representações teatrais e exibições de música, pois isto não beneficia a ninguém. Não é bom ensaiar crianças para que façam discursos em ocasiões especiais. Devem elas ser ganhas para Cristo, em lugar de despender tempo, dinheiro e esforços para uma encenação, que todo esforço seja feito a fim de preparar os molhos para a colheita. Conselhos Sobre Escola Sabatina,154,5 
 
A autora aqui alega que muitas tentativas de melhoramento na Escola Sabatina não passam de recursos mundanos e as palavras espetáculo, representações teatrais, exibições de música, discursos em ocasiões especiais, despender tempo, lembram exatamente o comportamento literário teatral de sua época. A intenção do texto é condenar os métodos vigentes que entravam na igreja com o propósito de tornar a Escola Sabatina atraente, mas que desvirtuava do verdadeiro objetivo evangelístico. Em aplicação atual percebe-se que tudo que tira o propósito principal da Escola Sabatina e atrai a atenção para si através de espetáculos é errado.
 
Quanto ao evangelismo e seus métodos o teatro expressionista também influenciou. Os exageros tipificavam o comportamento de alguns evangelistas.
As grandes cidades devem ser advertidas, mas, meu irmão, nem todos os métodos que adotais nesta obra são corretos. Pensais que tendes liberdade de gastar todo o dinheiro que quiserdes para atrair a atenção do povo. Lembrai-vos, porém, que na vinha do Senhor há muitos, muitos lugares a serem evangelizados e que se precisa de cada dólar. Deus não Se agrada do grande dispêndio de meios que fazeis na propaganda de vossas reuniões, bem como no aparato realizado em outras atividades de vossa obra. A exibição não está em harmonia com os princípios da Palavra de Deus. Ele é desonrado pelos vossos dispendiosos preparativos. Às vezes fazeis aquilo que se me apresenta como pôr na panela pedaços de cabaça silvestre. 
 
Esta exibição faz com que a verdade tenha o gosto demasiado forte de tal prato. O homem é exaltado. A verdade não progride, mas fica retardada. Homens e mulheres judiciosos podem ver que as representações teatrais não estão em harmonia com a solene mensagem que tendes a apresentar. Carta 190, 1902. Evangelismo,127,8
 
Quanto aos pregadores evangelistas Ellen os alerta para o erro que cometiam. Em seus dias o teatro expressionista se manifestava da mesma forma através de seus atores.
 
Com tendência para o extremo e o exagero, as peças são combativas na defesa de transformações sociais. O enredo é muitas vezes metafórico, com tramas bem construídas e lógicas. Em cena há atmosfera de sonho e pesadelo e os atores se movimentam como robôs.
 
Tenho uma mensagem para os que estão com a responsabilidade de nossa obra. Não animeis os homens que devem empenhar-se neste trabalho a pensarem que devam proclamar a solene e sagrada mensagem em estilo teatral. Nem um jota nem um til de qualquer coisa teatral deve aparecer em nossa obra. A causa de Deus deve ter molde sagrado e celestial. Fazei com que tudo quanto esteja em conexão com a apresentação da mensagem para este tempo tenha o sinete divino. Não permitais que haja qualquer coisa de natureza teatral, pois isto prejudicaria a santidade da obra.
 
Foi-me mostrado que nos defrontaremos com todas as espécies de experiências e que os homens procurarão introduzir representações estranhas na obra de Deus. Já nos encontramos com tais em muitos lugares. No início de meu trabalho, foi dada a mensagem de que todas as representações teatrais, em conexão com a pregação da verdade presente, fossem desaconselhadas e proibidas. Os homens que pensavam ter um admirável trabalho a fazer procuraram adotar uma estranha atitude e manifestavam esquisitices no movimento do corpo. Eis a instrução que me foi dada: "Não aproveis tal coisa." Estas atitudes, com sabor teatral, não devem ocorrer na proclamação das solenes mensagens que nos foram confiadas. Manuscrito 19, 1910. Evangelismo,137,8.
 
Não devem os pastores pregar opiniões de homens, não devem contar anedotas nem encenar representações teatrais, nem exibir-se; mas, como se estivessem na presença de Deus e do Senhor Jesus Cristo, têm de pregar a Palavra. Não introduzam na obra do ministério leviandades, mas preguem a Palavra de maneira que deixe em quem os escute, a mais solene impressão. Review and Herald, 28 de setembro de 1897. Evangelismo,207.
 
Toda postura, que é tão comum, como gestos teatrais, toda leviandade e frivolidade, todo gracejo e pilhéria, devem ser considerados pelos que levam o jugo de Cristo como não sendo "convenientes" - uma ofensa a Deus e negação de Cristo. Isto incapacita o espírito para o pensar sólido e o sólido labor. Torna os homens ineficientes, superficiais e espiritualmente enfermos. ...
Manuscrito 8a, 1888. Evangelismo,644.
 
Ellen condena taxativamente o método e técnicas e não a arte.
 
Em lugar de ser uma escola de moralidade e virtude, como costuma ser chamada, é ele justamente o viveiro da imoralidade. Os hábitos viciosos e as tendências pecaminosas são fortalecidos e confirmados por esses entretenimentos. As cantigas baixas, os gestos, expressões e atitudes indecentes corrompem a imaginação e rebaixam a moral. Conselho Sobre Educação, 57
 
A arte dramatizada em sua opinião é boa, assim como a arte visual, a arte musical e outras. O problema está em como se usa esta arte e os exageros. O expressionismo iniciado nas artes visuais, influenciou também a música.
 
O que me foi apresentado é que, se o Pastor ______ desse ouvidos ao conselho de seus irmãos, e não corresse da maneira por que o faz no esforço de obter grandes congregações, exerceria mais influência para bem, e sua obra teria efeito mais benéfico. Ele deve cortar de suas reuniões tudo quanto tenha semelhança com exibições teatrais; pois tais aparências exteriores não dão nenhuma força à mensagem que ele anuncia. Quando o Senhor puder cooperar com ele, sua obra não precisará ser feita de modo tão dispendioso. Ele não necessitará então fazer tantas despesas em anúncios de suas reuniões. Não porá tanta confiança no programa musical. Esta parte de seu serviço é realizada mais à maneira de um concerto teatral, do que de um serviço de canto em uma reunião religiosa. Carta 49, 1902. Evangelismo,501.
 
Em seus esforços para alcançar o povo, os mensageiros do Senhor não devem seguir as maneiras do mundo. Nas reuniões realizadas, não devem depender de cantores do mundo nem de exibições teatrais para despertar o interesse. Como se pode esperar que aqueles que não têm nenhum interesse na Palavra de Deus, que nunca leram Sua Palavra com sincero desejo de lhe compreender as verdades, cantem com o espírito e entendimento? Como pode seu coração estar em harmonia com as palavras do canto sagrado? Como se pode o coro celeste unir a uma música, que é meramente uma forma? Testimonies, vol. 9, pág. 143.Evangelismo,508,9
 
CONCLUSAO
 
 A literatura e arte devem ser desenvolvidas de maneira sóbria e que alcancem objetivos nobres.
 
Os desígnios e objetivos que levam à formação de sociedades literárias podem ser bons; mas, a menos que essas organizações sejam regidas pela sabedoria vinda de Deus, tornar-se-ão um positivo mal. Conselho aos Pais e Professores, 542.
 
A dramatização também pode ser encontrada na Bíblia e recomendada por Deus. O profeta Ezequiel (Ez 4 e 5) recebeu do Senhor a ordem de dramatizar o que Ele pretendia fazer com o povo rebelde. Coisas como gravar o nome da cidade de Jerusalém em um tijolo, construir edificações ao redor dele, deitar sobre o lado esquerdo trezentas e noventa vezes e depois do lado direito 40 vezes, ficar preso em cordas por vários dias, cozer bolo sobre esterco humano ou de vaca, cortar cabelo e barba com navalha, pesar, repartir, queimar e espalhar parte dos fios ao vento, eram feitas a vista do povo. Ez 4:12.
 
O objetivo de  Deus foi deixar a sua mensagem impressa na mente do espectador como forma de sensibilizar seu duro coração, já que as palavras não surtiam mais efeito. 
 
A arte da dramaturgia não é pecado. O pecado está em fazer dela trampolim para espetáculos e exposição do “eu” e não como método para impressionar o coração impedernido. 
 
Não estariam alguns membros de igrejas cometendo equívocos semelhantes ao do tempo de Ellen, ao inserir em nossas igrejas trajes sensuais, modismo masculinos como óculos de sol no cabelo, camisas e calças justas, penteados exibicionistas, apresentar comportamentos e também gírias em público, copiados de novelas e filmes? Talvez as atenções da liderança e da igreja não estejam voltadas para o verdadeiro problema atual. 
 
Portanto conclui-se que Ellen White condena o estilo literário de seus dias que influenciava negativamente as posturas e ideologias dos membros e evangelistas e não a arte.
 
BIBLIOGRAFIA
ccerqueira.hpg.ig.com.br
dionisius.hpg.ig.com.br
expressionismo.pro.br 
milvezesteatro.hpg.ig.com.br
Ellen White. Conselhos aos Pais e Professores. CD room; Conselhos sobre Escola Sabatina CD room; Conselho sobre Educacao. CD room; Conselhos sobre Mordomia. CD room; Evangelismo. CD room; Fundamentos da Educação Cristã. CD room.
Sermão Pr.Carlos Alberto Magalhães
 

 

Voltar

Procurar no site

"Levantai ao alto vossos olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais Ele chama pelo nome, e por ser Ele grande em força e poder, nem uma só vem a faltar." Is. 40: 26