A LEI E A GRAÇA

04-09-2012 19:15

 

"No mundo religioso tem sido ensinada uma doutrina onde Jesus, o nosso salvador, tem sido mais apresentado como Alguém que nos livra de guardar os mandamentos de Deus, do que como Aquele que nos salva de os transgredir. Uma chamada fé dessa espécie tem sido apresentada como substituto da obediência à santa lei de Deus." (1) 
 
É deveras lamentável que o mundo chamado cristão apresente um tipo de graça que tem mais o sentido de indulgência ou de manto acobertador de certas iniqüidades do que propriamente o dom divino que consiste em amorável oferecimento de salvação aos transgressores da lei moral. 
 
A tecla surradíssima da lei contra a graça (a maior deturpação teológica dos tempos) é insistentemente batida pelo autor do livro. Chama-se a isto dispensacionalismo, que pretende definir duas épocas distintas, uma da lei, outra da graça – idéia que hoje é desprezada pelos mais cultos pesquisadores do Livro Santo. Às págs. 41 e 42 afirma o nosso acusador que a lei foi abolida e substituída pela graça (sic) e às págs. 44, 45 e 48, com argumentos especiosos acentua que não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça, dando a entender que uma coisa destruía a outra. Como vamos demonstrar, só mesma uma irremediável vesguice teológica poderia estabelecer CONTRADIÇÃO entre a lei e a graça, ou entre a lei e o evangelho. 
 
Hoje precisamos considerar o legítimo conceito da graça. Não vamos entrar em terreno especulativo. Para maior luz no assunto, temos que nos distanciar desses backgrounds teológicos discordes e até rebarbativos. Vamos analisar a deturpação do conceito de graça entre os professos cristãos, como se observa nos dias atuais, para justificarem a não-observância dos mandamentos de Deus. 
 
Que é graça? Responde, com propriedade, o teólogo batista A. H. Strong: "A graça é favor imerecido concedido aos pecadores." (2) É uma atitude de liberalidade divina, generosidade inefável, concedendo-nos a salvação como um dom, já que estávamos irremediavelmente condenados. É uma oportunidade conferida aos pecadores e que tem o sentido de uma dívida perdoada, de um indulto outorgado, de uma libertação sem paga, de um jugo desatado, de uma carga retirada dos ombros. Graça é a mais alta expressão do amor de Deus, que se tornou objetiva no sacrifício oblativo de Jesus em favor dos pecadores, ou seja, dos transgressores da lei divina. 
 
A lei é exigente. Condena. E justamente porque ela traz condenação e não provê salvação, temos que apelar para a graça. Definindo a relação entre a lei e a graça, disse Agostinho: "A Lei é dada para que a Graça possa ser exigida; a Graça é concedida para que a Lei passa ser cumprida." (3) 
 
Entende, no entanto, o nosso oponente que a graça anulou a lei, repetindo surrado e superado desconchavo teológico. Mas contra este absurdo levanta-se Strong, o batista, e diz claramente: "A graça, contudo, não deve ser entendida como se ab-rogasse a lei, mas sim como reafirmando-a e estabelecendo-a (Rom. 3:31 'estabelecemos a lei'). Pelo fato de remover o que impede o perdão que Deus concede, e de habilitar o homem a obedecer, a graça a assegura o perfeito cumprimento da lei (Rom. 8:4 'para que a justiça da lei se cumprisse em nós')." (4) Grifos nossos. 
 
Aí está um conceito exato do renomado mestre batista que leva o nosso pleno endosso. E prossegue: "Assim a revelação da graça, conquanto esta compreenda e inclua em si mesma a revelação da lei, acrescenta algo diferente em espécie, a saber, a manifestação do amor pessoal do Legislador. Sem a graça, a lei tem apenas um aspecto exigente. Somente em harmonia com a graça ela se torna 'a lei perfeita da liberdade' (S. Tia. 1:25)." (5) Grifos nossos. E a lei mencionada por Tiago (cap. 2:10-12) é insofismavelmente o decálogo. 
 
De fato, como foi dito, se a lei tivesse sido abolida, não haveria transgressão e, necessariamente, não haveria condenação. E não havendo c0ndenaçào, não há necessidade de graça. Sem lei não há graça. Uma pressupõe a outra. A graça, além de nos salvar da condenação da lei, habilita-nos a vivermos em harmonia com os preceitos celestiais, com o padrão divino. Não há contradição mas uma interdependência entre lei e graça. Elas harmonizam-se e completam-se em suas funções. 
 
O autor do livro – escorado nos frágeis pilares de Canright – defende o dispensacionalismo e crê que, depois de Cristo a graça suplantou a lei, substituiu-a, anulou-a, destruiu-a. Afirma que, com a morte de Cristo, findou-se a jurisdição da lei, iniciando-se a da graça. E é desse jeito que entende ele o "estar debaixo da lei" e o "estar debaixo da graça," realçando que a graça existe da morte de Cristo para cá. Se isto fosse verdade, gostaríamos de perguntar como se arrumaram os pecadores dos tempos do Velho Testamento? Como se teriam salvo? Este ponto não pode ser passado por alto porquanto as Escrituras ensinam claramente que a salvação é obtida unicamente pela graça. E se a graça não existia antes da cruz, segue-se que os pecadores que viveram nos tempos patriarcais e posteriores não se salvaram. Viveram antes da graça, para sua perdição. Ou – se como querem alguns – os pecadores do Velho Testamento se teriam salvo pelas obras da lei, forçoso é convir que o Céu estará dividido em dois grupos: um grupo a proclamar orgulhosamente ter-se salvo pelos seus méritos e esforços, por terem guardado a lei (e isto seria um insulto a Jesus, um ultraje ao Seu sacrifício e ao Seu sangue), ao passo que o povo que viveu depois da cruz lá estaria a proclamar humildemente os louvares de Cristo, que lhes deu a vida eterna. Seria isto possível? Seria concebível? 
 
Não, não há na Bíblia tal coisa: uma jurisdição da lei e outra da graça, separadas pela cruz. Isto é danosa invencionice humana, ofensa ao plano de Deus. Tal conceito é blasfemo e deve ser rejeitado. A verdade é bem outra. Diz a Bíblia que a graça vem de "tempos eternos" (Rom. 16:25). que o "Cordeiro foi morto desde a fundação do mundo" (Apoc. 13:8), e que "a graça nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos." (II Tim. 1:9). Portanto, os pecadores sob o Velho Testamento também se salvaram pela graça. Como afirma que veio depois da cruz? 
 
Abraão foi salvo pela graça. Gál. 3:8; Rom. 4:3. 
Davi não se salvou pelos próprios méritos, mas pela fé em Cristo. Rom. 4:6. 
 
A graça está estendida a TODOS os homens. Tito 2:11; Rom. 5:18. Estava planejada antes mesmo da queda e começou a vigorar desde Gên. 3:15, mas um dia será retirada. Apoc. 10:11-13. Cessará então de vigorar. Em matéria de salvação todos os homens, em todos os tempos estiveram debaixo da graça. Em Heb. 11 se alinham os vultos exponenciais do Velho Testamento que agiram, viveram e se salvaram pela fé. Os sacrifícios de cordeiros e oferendas que o Israel fazia na antigüidade, simbolizava a sua fé no futuro Messias – verdadeiro "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo." Era a maneira de expressar a fé em Cristo. Não expressava obras, mas fé. 
No Céu só haverá uma classe de pessoas: a dos salvos pelo Cordeiro. Eis a descrição dos remidos, na bela antevisão joanina. "E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o Teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação." Apoc. 5:9. Portanto, a graça abrange TODOS os períodos da História. 
 
Pré-Cruz ou Pós-Cruz
 
Mas – e vem a objeção – Paulo não disse claramente aos romanos, que não estavam mais "debaixo da lei" mas "debaixo da graça"? Sim, disse. Mas com tais expressões quereria ele acaso dizer que não necessitamos guardar os mandamentos contra o adultério, a idolatria, o homicídio, o roubo, a mentira etc., enfim o conteúdo do Decálogo? De modo nenhum, pois os argumentos expendidos na mesma epístola são contrários a essa desastrosa conclusão. Leiam-se, por exemplo, os cap. 7:12,14 e 22; 3:31 e outras passagens. 
 
Analisemos, com muita atenção, o verdadeiro sentido da expressão paulina. Qual o assunto que Paulo tinha em mente ao escrever aos crentes de Roma? Estaria ele querendo diferenciar a lei do Velho Testamento e a lei do Novo Testamento? Não! Queria ele estabelecer conflito ou contradição entre lei e graça? Também não! Estaria indicando várias maneiras de salvação? Não!! (Rom. 3:31). Então, a que se referia o apóstolo, ao dizer "debaixo da lei" e "debaixo da graça?" Referia-se à mudança que ocorre no indivíduo por ocasião de sua conversão, mudança do "velho homem" para o "novo homem," do pecado para a santidade, da condenação fatal para a graça libertadora. 
 
Paulo está se dirigindo a homens crentes, a cristãos batizados, a homens convertidos. Não a ímpios, pagãos ou a transgressores da lei divina. Leiam-se os versos 2 e 4. Diz o verso 6: "sabendo isto, que o nosso homem velho foi com Ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não mais sirvamos ao pecado." Claro como a luz que o capítulo se refere à conversão e não à mudança de dispensações. Notemos cuidadosamente que ele diz: "assim também considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor." (v. 11). 
 
A respeito de quem se afirma isso? Somente a respeito do homem convertido – membros da igreja de Roma, que não mais transgrediam a lei, pois viviam em harmonia com ela. Paulo os exorta a não mais volverem ao pecado. "Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal..." (v. 12). 
Pecado – como o define a Palavra de Deus – é transgressão da lei. I S. João 3:4. Paulo está exortando os romanos a não se deixarem arrastar pelas paixões carnais, voltando assim a transgredir a lei de Vens. E no v. 14: "Porque o pecado não terá domínio sobre vós..." Por quê? Porque a lei foi abolida? Não. Mas porque já tinham abandonado o pecado, cessaram de transgredir a lei. O próprio argumento paulino mostra, de modo inequívoco, que era precisamente isto que ele queria dizer. "... o pecado não terá domínio sobre vós, PORQUE não estais debaixo da lei (não mais a transgredis, não estais mais sujeitos à sua condenação, não vos colocais debaixo dela como antes) mas debaixo da graça (do favor imerecido que Deus vos concedeu de serdes redimidos por Cristo.) 
Sim, é a CONVERSÃO o grande tema vertente de Paulo. 
 
O sentido exato e completo do v. 14 é este: "tendo abandonado os vossos pecados, tendo cessado de quebrar a lei, tendo crido em Cristo e sendo batizados, vós agora não sois mais governados pelo pecado ou pelas paixões, nem sois condenados pela lei, porque achastes graça à vista de Deus, que vos concedeu este favor imerecido, e os vossos pecados foram perdoados." 
Claríssimo! Portanto, não estar DEBAIXO DA LEI, é não estar sob sua condenação. Não há conflito entre lei e graça. "Pois quê? Pecaremos (isto é, transgrediremos a lei) porque não estamos debaixo da lei (da sua condenação) mas debaixo da graça (do favor divino)? De modo nenhum. Portanto, a própria conclusão paulina destrói inteiramente a tese de um suposto conflito entre lei e graça. Mesmo porque se "não estar debaixo da lei" significa que não devemos obedecer-Lhe, segue-se então que podemos transgredi-la à vontade. Porém Paulo faz sustar imediatamente esta idéia blasfema com um categórico "De modo nenhum." 
 
Credenciada autoridade evangélica sentenciou, com relação a Rom. 6:14: "A graça não importa em liberdade para pecar, mas numa mudança de senhores, e numa nova obediência e serviço. A graça não anula a santa lei de Deus, mas unicamente a falsa relação do homem para com ela." (6) 
Outra passagem – muito do gosto dos anominianos – também citada e torcida, à pág. 44, é Gál. 5:18: "... se sois guiados pelo Espírito não estais debaixo da lei." Também neste caso, quais os que não estão debaixo da lei? Somente os que são guiados pelo Espírito, ou seja, os  convertidos, os fiéis, os crentes, os que não seguem as concupiscências, os que não transgridem a lei de Deus – em suma – os que não cometem pecado. Os ímpios, os pecadores NÃO são guiados pelo
Espírito, portanto eles estão debaixo da lei, da sua condenação, porque a transgridem. Não há aí a mais leve alusão à abolição da lei de Deus. Só uma exegese obtusa conduziria a tal conclusão. 
 
Consideremos agora a absurda posição dos oponentes. Dizem que pela expressão "não estamos debaixo da lei" Paulo quis dizer que a lei fui abolido e, portanto, não precisamos mais cumprir os seus preceitos. Passou a lei, sua época e sua função – segundo dizem. Ora, se isto é verdade, então NINGUÉM está debaixo da lei, quer seja ou não guiado pelo Espírito. Se ela passou, não atinge mais a quem quer que seja. Daqui não há fugir. Mas Paulo profliga este erro, declarando explicitamente que a fim de não estarmos debaixo da lei, temos que ser guiados pelo Espírito. Como se destrói por si a conclusão errônea dos anominianos! 
 
A idéia de se estar "livre da lei" e, portanto, não sujeito à sua obediência, não é nova. Ela surgiu pela primeira vez, em 608 A. C. aproximadamente, nos tempos do profeta Jeremias. Naquele tempo, este argumento indigno foi empregado pelo rebelde povo de Judá a fim de justificar a sua transgressão da lei de Deus. Consulte-se, de preferência nas versões Brasileira ou Trinitária, a repreensão de Deus ao Seu Povo, em Jer. 7:8-10: "Eis que vós confiais... furtareis, matareis, adulterareis... e direis: fomos livrados a fim de fazer todas estas coisas." 
 
Um fato inegável: os cristãos de qualquer denominação crêem que eles não devem jurar, matar furtar, mentir, cobiçar etc. Em outras palavras, crêem que devem guardar os mandamentos. Os adventistas crêem o mesmo, com a diferença que o fazem em relação a todo o decálogo, incluindo necessariamente o quarto mandamento. Ora se nós os Adventistas do Sétima Dia estamos "debaixo da lei" porque cremos na guarda dos dez mandamentos, então os demais cristãos estão nove décimos (ou noventa por cento) debaixo da lei, pelo fato de guardarem nove preceitos do decálogo. "Coerência, és uma jóia!" 
 
Outro fato de suma gravidade: costuma-se usar a expressão "não estar debaixo da lei" mas "debaixo da graça" UNICAMENTE para se justificar a desobediência ao quarto mandamento. Ninguém a emprega para justificar a quebra de outros mandamentos do decálogo. Creio honestamente que aqueles que a usam para fugir à guarda do sábado, não sentem nenhum desejo de roubar, matar ou adulterar. Sei que estas coisas lhes cansam horror. Mas, com tal atitude, apenas provam que não é o mandamento de Deus que os inibe de adulterar, matar, cobiçar etc., mas sim a educação que receberam, a vigilância social e a opinião pública. Se a prática desses horríveis pecados fosse coisa aceita (como o eram em alguns ritos bárbaros), então não titubeariam em dizer que praticariam tais coisas porque "não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça." A tal extremo conduziria o anominianismo, servindo-se de suas bases capciosas de argumentação. 
 
Note-se que há índios e nativos antropófagos que matam impiedosamente e a sua consciência não os  acusa. Erro crasso é supor que a guarda dos mandamentos é questão de consciência. Religião cristã não se baseia na consciência mas é uma religião revelada. Está escrito o que devemos fazer e o que devemos evitar de fazer e isto é cumprido quando o Espírito nos toca o coração. A consciência, muitas vezes, mesmo crendo estar sendo dirigida por Deus, acomoda-se. A consciência não é um guia seguro. O seguro está na revelação. Vamos cumpri-la. A Escritura tem muito que dizer sobre a consciência, como base precária e enganosa. Fala de "consciência cauterizada" (I Tim. 4:2) consciência "faca" (I Cor. 8:7). Somente a revelação divina não se cauteriza nem se enfraquece. É inalterável porque o seu elemento é só divino. 
 
Tremenda contradição do autor: diz e reitera, em várias lugares, que a lei foi abolida por Jesus. Mas em face do insofismável argumento dos Adventistas do Sétimo Dia de que se foi abolida, não está em vigor e, portanto, é lícito matar, furtar, etc. replica – em desespero de causa – que nove dos mandamentos foram revigorados, reafirmados no Novo Testamento. 
 
Ora, se isto é verdade, então qual foi o papel de Cristo? Aboliu, com Sua divina autoridade, uma lei que, após a Sua morte seria reeditada em noventa por cento? Como poderia Ele, o Mestre dos mestres, ser desautorado desta maneira? Se Ele derrogou a lei, qualquer que, posteriormente, a restaurasse seria um Seu oponente, estaria virtualmente contra uma medida anulativa de Jesus. 
Notem os leitores que absurdo! Notem que posição comprometedora! Vejam a que reduzem a autoridade de Cristo: torna nulo um código e, tempos depois de Sua morte, os Seus seguidores revogam a anulação e reeditam o mesmo código. Haverá coisa mais disparatada? Meditem seriamente neste fato as mentes equilibradas. 
 
Nós cremos, no entanto, que todos os mandamentos se reafirmam no Novo Testamento. Por preceito ou por exemplo. Há, nele, alusões inequívocas à guarda do sábado por motivo de ser o sábado. S. Luc. 4:16; Atos 16:13. S. Luc. 23:56 etc. Não se tratava de "agradar" judeus, mas de guardar o quarto mandamento. E se não é citado litera ad litera o mandamento é porque tal era o rigor de sua guarda, que não havia mister citá-lo. Era ponto pacífico. Ninguém iria contestar a legitimidade de sua guarda. 
 
A propósito, o mui ilustre batista Alvah Hovey, emérito bacharel em teologia, referindo-se aos apologistas, em um conhecido trabalho sobre o cânon do Novo Testamento, em 1881, endossa a declaração de Lightfoot de que o silêncio de que o silêncio de um determinado assunto constitui uma evidência a favor do mesmo. E conclui: "Era supérfluo apresentar provas a favor daquilo de que ninguém duvidava." 
Seria admitir que "o silêncio dos servos de Deus no Novo Testamento, no vale a Judéia, é de mais peso que os trovões do próprio Deus no monte Sinai." 
 
É pena que haja espíritos que sejam incapazes de ouvir a voz de Deus, por causa do silêncio dos apóstolos. E mais adiante, em outro capítulo, provaremos que o sábado do sétimo dia jamais foi cerimonial –coma querem entender os nossos acusadores. 
 
Referências: 
 
(1) O Que Vale Mais do que o Dinheiro, série V. A., pág. 1. 
(2) A. H. Strong, Systematic Theology, pág. 779. 
(3) Citado em Paul and the Law, Charles D. Utt. 
(4) A. H. Strong, op. cit., pág. 548. 
(5) Idem, pág. 549. 
(6) Vincent. Word Studies, vol. 3, pág. 11. 
 
Arnaldo B Christianini 12 / Lei e Graça
 
Voltar

Procurar no site

"Levantai ao alto vossos olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais Ele chama pelo nome, e por ser Ele grande em força e poder, nem uma só vem a faltar." Is. 40: 26